Xarope de Guaco – O Que é, Para Que Serve, Como Tomar e Como Fazer

Veja o que é o xarope de Guaco, para
que serve, com tomar, como fazer e o que diz a ciência a respeito deste xarope.

Historicamente, a maioria dos
medicamentos são criado a partir de produtos naturais e também de compostos
derivados desses produtos.

E isso não é diferente com a Mikanialaevigata
e M. glomerata, popularmente conhecido como “guaco”, que é usado há muito tempo
pelos índios brasileiros principalmente para tratar mordidas de cobra.

Na medicina herbal atual do Brasil,
o guaco é usado como um eficaz broncodilatador natural, expectorante e
supressor de tosse empregado para todos os tipos de problemas respiratórios
superiores, incluindo bronquite, pleurisia, resfriados e gripes,
tosse
e asma.

Ele também tem sido amplamente
utilizado, mesmo em preparações comerciais já que suas propriedades medicinais
são amplamente reconhecidas.

Isso ocorre principalmente no
tratamento de condições inflamatórias, atividade broncodilatadora,
anti-ulcerogênica, antiofidiana e atividade antibacteriana e antiparasitária,
embora a eficácia da atividade antibacteriana seja tão controversa.

O que é Guaco

Mikania
cordifolia e M. glomerata são as duas plantas brasileiras usadas de forma
intercambiável e muitas vezes sem distinção entre as duas espécies sendo chamas
apenas de guaco.

Todas as plantas de guaco são
trepadeiras sem espinhos, com cerca de 2 m de altura e estendendo-se por cerca
de 2 a 2,5 m de largura.

Elas produzem folhas largas e
brilhantes em forma de coração e flores brancas a amareladas.

As folhas quando machucadas ou
esmagadas têm um aroma agradável e picante enquanto que as flores têm um cheiro
característico de baunilha, especialmente depois de tomarem chuva.

Os estudos sobre Mikania glomerata e
M. laevigata forneceram evidências científicas de que essas plantas têm um
potencial efeito terapêutico anti-inflamatório.

Para que serve guaco

Os índios brasileiros têm uma tradição
antiga de usar o guaco nas picadas de cobra preparando um chá com as folhas e
tomando por via oral, bem como aplicar as folhas ou o suco do caule (às
pressas) diretamente na picada da cobra.

Algumas tribos indígenas da floresta
amazônica empregaram topicamente o caule das folhas esmagadas nas picadas de
cobras (além de beber a decocção de folhas e / ou caule) e usaram uma infusão
de folhas para tratar febres, desconforto estomacal e reumatismo.

Os povos indígenas da região amazônica
da Guiana aquecem as folhas para causar erupções cutâneas e coceira na pele.

Em 1870, um medicamento herbal
brasileiro chamado Opodeldo de Guaco foi produzido a partir da folha e caule do
guaco sendo considerado um “remédio para os santos” no tratamento de bronquite,
tosse e reumatismo.

Hoje em dia esse “remédio” ainda é muito
popular em todo o Brasil para os mesmos fins, mas os locais preparam-se
fervendo folhas de guaco em um saboroso xarope picante para tosse.

A década passada testemunhou muitas
descobertas importantes nesse campo com novas descobertas desafiando as visões
tradicionais dos pesquisadores.

Atividade broncodilatadora

A broncoconstrição desempenha um papel
muito importante na fisiopatologia da asma e compostos que relaxam os músculos
lisos respiratórios, como os agonistas b2, antagonistas da teofilina e
colinérgicos são geralmente usados ​​no tratamento sintomático desta doença.

O xarope de guaco bem como uma infusão
ou extrato feito a partir das folhas dessas plantas são tradicionalmente usados
​​para tratar doenças respiratórias como bronquite, asma e tosse.

Observações experimentais da eficácia do
uso de guaco em doenças das vias aéreas têm sido consistentes e alguns estudos
demonstraram os mecanismos de sua ação.

Um estudo realizado em camundongos utilizando
um modelo de pleurisia alérgica demonstrou que a os animais tratados com uma
fração obtida do extrato etanólico de M. glomerata (guago) apresentaram uma
redução do edema e depleção na dose mais alta que foi testada, além da inibição
da infiltração de leucócitos detectada após o desafio ao antígeno.

O extrato etanólico do guago inibiu a
eosinofilia pleural, processo que depende de eicosanóides e de um fator de
ativação de plaquetas.

Uma possível explicação para o efeito
inibitório do extrato etanólico de M. glomerata na pleurisia alérgica é que ele
antagoniza os efeitos e / ou a liberação desse lipídio, embora não exista
atividade inibitória na plenitude acionada pela histamina ou serotonina.

Outro estudo demonstrou que o extrato
hidroalcoólico de M. glomerata produziu uma diminuição do tônus ​​basal do
músculo liso respiratório isolado da traquéia de cobaia.

Atividade antibacteriana

Outro ponto importante de para que serve
o xarope de guaco é a sua atividade antibacteriana.

O extrato hexânico do guaco apresentou
atividade antibacteriana contra uma cepa multirresistente de Staphylococcus aureus enquanto que a
fração etanólica apresentou apenas uma atividade fraca contra bactérias
Gram-positivas e Gram-negativas.

Pesquisadores da Universidade do Vale do
Itajaí em Santa Catarina usaram um modelo de camundongo com pneumonite alérgica
para demonstrar que o animal tratado com o extrato hidroalcoólico de M.
laevigata havia diminuído significativamente o fluxo de leucócitos,
especialmente de isosinófilos, para o espaço broncoalveolar.

Além disso, as análises demonstraram um
perfil hemorrágico no tecido pulmonar dos animais não tratados que não foi
observado nos animais que foram tratados com esse extrato.

Outro estudo foi conduzido para
investigar a eficácia de um extrato hidroalcoólico das partes aéreas de M.
laevigata como um agente relaxante no músculo liso traqueal in vitro.

A ação sugeriu que a estimulação direta
dos canais de potássio ativado por cálcio pelo extrato de guaco possa ter
contribuído para um mecanismo subjacente pelo qual atuou como fitomedicina
anti-asmática em humanos.

Pesquisadores investigaram se os
extratos dessas plantas apresentavam algum efeito sobre os indicadores de danos
inflamatórios e oxidativos nos pulmões de ratos expostos a poeira de carvão
quando foram agudamente expostos.

E os resultados evidenciaram que o pó de
carvão levou à inflamação e morte celular nos pulmões de ratos e que o guaco
apresentou um efeito protetor, levando à especulação de que esse extrato possa
ter um papel protetor na oxidação causadas ​​pela exposição à poeira de carvão.

Em resumo, o guaco demonstrou possuir
atividade anti-asmática eficiente enquanto que seus extratos etanólicos
inibiram o crescimento de todos os microrganismos testados e a fração hexana de
ambas as espécies de guaco mostrou uma notável atividade antibacteriana.

Atividade anti-inflamatória

A resposta inflamatória é orquestrada
por uma grande variedade de mediadores que são capazes de promover eventos
vasculares, edema e recrutamento de células inflamatórias.

Em resposta à lesão ou infecção, o corpo
mobiliza células do sistema imunológico para iniciar uma resposta inflamatória
no local do dano.

Como mencionado acima, uma das coisas
para que serve o extrato de guaco é para tratar doenças respiratórias, no
entanto, os efeitos benéficos no tratamento de doenças respiratórias como a
asma podem não apenas compreender um relaxamento direto do músculo liso
respiratório, mas também um efeito anti-inflamatório.

Nesse contexto, alguns estudos
demonstraram a atividade anti-inflamatória desse extrato e que ele contribui
para a redução da adesão e transmigração de leucócitos.

Os resultados das pesquisas sugerem que
o uso do extrato medicinal de guaco pode ter sido capaz de suprimir o
desenvolvimento de lesões inflamatórias agudas.

Tratamento de úlceras

As úlceras gástricas e duodenais afetam
um grande número de pessoas em todo o mundo e são causadas por vários fatores,
como estresse, tabagismo, deficiências nutricionais e ingestão de medicamentos
anti-inflamatórios não esteróides.

O tratamento atual apresenta problemas
devido à eficácia limitada e efeitos colaterais graves dos medicamentos
disponíveis.

Por isso, o uso de produtos naturais
para a prevenção e tratamento de diferentes patologias está se expandindo
continuamente em todo o mundo.

Pesquisadores avaliaram a atividade
anti-ulcerogênica do guaco empregando diferentes modelos experimentais em camundongos
para descobrir qual o seu mecanismo de ação farmacológico.

Como resultado, o bloqueio da atividade
anti-ulcerogênica do extrato de guaco promovido pelo betanecol sugeriu um
mecanismo anticolinérgico ou uma interrupção de eventos intracelulares que
estavam ligados à secreção ácida.

Atividade antiparasitária

O Trypanosoma
cruzi
é um protozoário intracelular responsável por causar a doença de
Chagas.

Os medicamentos disponíveis atualmente para
a doença de Chagas não são
limitadas, mas a maioria tem como objetivo tratar as consequências da doença, como
insuficiência cardíaca.

Leishmania
amazonensis
, uma espécie transmitida principalmente na região
amazônica, tem sido associada a lesões cutâneas localizadas, doença cutânea
difusa e infecção da mucosa.

Os resultados obtidos através de
pesquisas sobre o efeito do guaco demonstraram a inibição do crescimento de
97,5% contra as formas amastigotas de L.
amazonensis
, bem como 49,5% de inibição do crescimento das formas
epimastigotas de T. cruzi.

Esses resultados demonstraram que o
guaco pode ser eficaz no tratamento de doenças causadas por parasitas como
acontece com a doença de Chagas.

Periodontite

Outro resultado interessante obtido com
o extrato de guaco através de uma pesquisa realizada em animais foi demonstrado
em um modelo de doença periodontal inflamatória, doença que afeta desde a
gengiva até o osso que suporta e envolve o dente.

A análise da perda óssea alveolar
demonstrou que os animais tratados com guaco apresentaram uma diminuição da
perda óssea.

Além disso, os tecidos gengivais do
grupo tratado com guaco apresentaram diminuição da migração de neutrófilos.

Esses resultados indicaram que o extrato
de “guaco” pode ter sido útil para controlar a reabsorção óssea durante a
progressão da periodontite em ratos.

Atividade antimicrobiana

Embora a indústria farmacêutica tenha
produzido nos últimos anos uma série de novos medicamentos antimicrobianos a
resistência a esses medicamentos por microorganismos aumentou.

É por isso que a medicina convencional é
cada vez mais receptiva ao uso de antimicrobianos e outras drogas derivadas de
plantas.

Nesse contexto, o gênero Mikania – guaco
– também apresenta alguns efeitos antibacterianos de acordo com ​​alguns
estudos sobre sua atividade antibacteriana.

Os resultados desses estudos parecem
promissores e podem melhorar o uso do produto natural, mostrando o potencial do
extrato de guaco no tratamento de doenças infecciosas causadas por S. aureus.

Tratamento para o envenenamento por cobras

Os extratos vegetais constituem uma
excelente fonte alternativa de novos agentes antiofídicos.

Em muitos países, os extratos vegetais
têm sido tradicionalmente usados ​​no tratamento de envenenamentos provocados
por picadas de cobra e por isso pesquisadores avaliaram a capacidade dos
extratos aquosos do extrato guaco de inibir a atividade farmacológica e
enzimática dos venenos de Bothrops e Crotalus.

Os resultados obtidos demonstraram que a
atividade induzida pelo veneno de Crotalus
durissus terri ficus
foi totalmente inibida pelos extratos aquosos de M.
glomerata (guaco), enquanto que para o veneno de Bothrops jararacussu, nenhuma inibição significativa foi observada.

Este extrato também inibiu a atividade
hemorrágica dos venenos testados e exibiu uma poderosa inibição da atividade de
coagulação, provavelmente devido à interação com enzimas do tipo trombina.

Como fazer xarope de guaco

Veja agora como fazer o xarope de guaco
para poder aproveitar de todos os seus benefícios para a saúde.

Ingredientes

  • 6 gramas de folhas de guaco secas, o
    equivalente a um punhado.
  • 6 xícaras de água
  • ¾ de xícara de açúcar
  • 3 colheres de sopa de mel

Modo
de preparo

Misture as folhas secas de guaco com a
água e ferva até que reduza para a quantidade de 2 xícaras.

Em seguida adicione os 3/4 de xícara de
açúcar e ferva novamente por cerca de 20 minutos transformando em uma calda.

Coe a mistura para remover as folhas, adicione
3 colheres de sopa de mel, deixe o xarope de guaco esfriar e engarrafe.  

Armazene na geladeira.

Como tomar

O uso recomendado do xarope de guaco é
diferente entre adultos e crianças.

Especialistas recomendam que os adultos
tomem 5ml 3 vezes ao dia, crianças entre 2 e 4 anos 2,5 ml 2 vezes ao dia
enquanto que as com mais de 5 anos devem tomar a mesma quantidade, porém 3
vezes ao dia.

O recomendado é toma-lo por 7 dias e em
casos mais graves por até 14 dias.

Se você tomou por 14 dias e os sintomas
não desapareceram, não deverá exceder esse tempo e sim procurar por um médico.

Efeitos colaterais

Em algumas pessoas, principalmente
quando tomado em grandes doses, o xarope de guaco pode causar alguns efeitos
colaterais como:

  • Aumento da pressão arterial
  • Vômito
  • Diarreia

Além disso, existem algumas pessoas que
são alérgicas a este xarope, e neste caso poderá haver tosse e dificuldade para
respirar.

O Guaco contém uma quantidade significativa de cumarina, da qual derivam os
medicamentos químicos vegetais da coumadina.

A cumarina tem um efeito anticoagulante
e afinador de sangue e por isso, o uso do xarope de guaco pode causar efeitos
anticoagulantes devido ao conteúdo de cumarina.

Consulte o seu médico antes de tomar xarope
de guaco principalmente se estiver tomando medicamentos anticoagulantes ou que
afinem o sangue.

Fontes e Referências adicionais:

Você já conhecia o xarope de guaco? Pretende experimentar? Comente abaixo!

Note: There is a rating embedded within this post, please visit this post to rate it.

O conteúdo Xarope de Guaco – O Que é, Para Que Serve, Como Tomar e Como Fazer Aparece primeiro em Mundo Boa Forma