Tipos de lúpus e suas diferenças

Conheça os diferentes tipos de lúpus, quais são os órgãos que podem atingir, veja suas especificidades e diferenças e os tipos de tratamento.

Lúpus é uma doença autoimune que deve ser controlada com tratamentos específicos para que seus sintomas sejam amenizados, uma vez que diversos órgãos e tecidos podem ser prejudicados pela doença.

Entre eles, estão os rins, o cérebro, os vasos sanguíneos, os pulmões e o coração. Além disso, outros problemas que podem ser acarretados pelo lúpus incluem infecções, necrose avascular, complicações gestacionais e até mesmo câncer.

Tipos de lúpus

Lúpus eritematoso

1. Lúpus Eritematoso Sistêmico (LES)

O lúpus eritematoso sistêmico é a forma de mais comum de manifestação de lúpus. A doença é caracterizada como sistêmica pois pode afetar muitas partes ou sistemas do corpo.

Os sintomas do LES podem ter o grau de gravidade variado. Integram o grupo de riscos mulheres caucasianas com idade entre 15 e 45 anos.

A principal característica dessa e outras doenças autoimunes é o fato de o próprio sistema imunológico atacar as células saudáveis, por confundi-las com corpos estranhos e nocivos à sua saúde.

O lúpus eritematoso sistêmico é uma doença autoimune identificada como crônica por ter fases de agravamento dos sintomas que se alternam com períodos de sintomas leves ou até mesmo de inibição dos sintomas.

Com o tratamento adequado, é possível, via de regra, viver normalmente.

Alguns dos sintomas da doença, que permitem identificar a presença de LES, são:

  • Fadiga severa;
  • Dor nas articulações;
  • Inchaço nas articulações;
  • Dores de cabeça;
  • Erupção cutânea nas bochechas e nariz;
  • Perda de cabelo;
  • Anemia;
  • Problemas de coagulação sanguínea;
  • Dedos brancos ou azulados e formigando durante o frio, fenômeno conhecido como Raynaud.

Outros sintomas dependem da parte do corpo que a doença está atacando, como o trato digestivo, o coração ou até mesmo a pele.

2. Lúpus Eritematoso Cutâneo

Também conhecido como lúpus da pele, o lúpus eritematoso cutâneo atinge a pele, podendo causar erupções cutâneas e algumas outras lesões que podem ser permanentes ou não, como cicatrizes.

Essas feridas se manifestam sobretudo nas regiões expostas ao sol, como face, ombros e couro cabeludo e podem ser bastante dolorosas.

Na esteira do lúpus cutâneo, a doença se subdivide em 3 tipos de lúpus:

Lúpus cutâneo agudo

Caracterizado principalmente pelo aparecimento de erupções cutâneas, sobretudo nas bochechas e no nariz. Essa variedade pode se manifestar de maneira isolada ou como uma resposta ao lúpus sistêmico.

A denominação aguda está relacionada ao período de permanência dos sintomas e à possibilidade de deixarem ou não marcas permanentes na pele.

Lúpus cutâneo subagudo

Esse tipo de lúpus cutâneo causa a formação de erupções cutâneas avermelhadas, elevadas e escamosas pelo corpo, que podem evoluir para lesões anelares ou placas semelhantes à psoríase.

Nesse caso, normalmente não há a formação de cicatrizes permanentes e a maior recorrência é em locais exposto à luz solar, como ombros, dorso das mãos, braços e antebraço.

Lúpus cutâneo crônico

A versão crônica do lúpus cutâneo causa erupções de tonalidade roxa ou vermelha na pele. Além disso, outros sintomas possíveis são a descoloração da pele, formação de cicatrizes e perda de cabelo. É possível encontrar essa doença denominada como lúpus discoide.

Embora o lúpus cutâneo agudo esteja frequentemente associado à doença sistêmica, o lúpus cutâneo subagudo e crônico normalmente ocorre apenas na pele. Nesses tipos de lúpus, é mais comum a lesão em forma de placas eritematosas, com bordas bem delimitadas e descamação na superfície.

3. Lúpus induzido por drogas

O lúpus induzido por drogas ocorre, como o nome sugere, devido a certas substâncias presentes em alguns medicamentos, que são capazes de promover inflamações.

Os sintomas dessa variedade da doença são semelhantes aos sintomas do LES. No entanto, nesse caso, a doença e seus sintomas devem desaparecer com o fim do uso da substância.

Os dois medicamentos que são mais frequentemente associados ao lúpus induzido por drogas são a procainamida, um remédio utilizado no tratamento de arritmia cardíaca, e a hidralazina, um medicamento vasodilatador utilizado para conter a hipertensão.

No entanto, se você faz uso desses medicamentos, não quer dizer, necessariamente, que vá desenvolver lúpus.

Os sintomas são semelhantes aos do LES e incluem dores musculares e articulares, fadiga e erupção cutânea. No entanto, eles tendem a ser mais leves e geralmente não afetam os principais órgãos. Além disso, essa é uma condição reversível.

4. Lúpus Neonatal

O lúpus neonatal afeta recém-nascidos e é uma doença considerada extremamente rara. A doença ocorre a partir da transmissão de anticorpos passivos da mãe lúpus ao filho. Portanto, para que a doença se manifeste, não é necessário que a mãe seja portadora da doença.

Ao nascer, o bebê acometido por esse tipo de lúpus pode apresentar erupções cutâneas, problemas hepáticos e até mesmo baixa contagem de células de sangue.

No entanto, essa doença tende a desaparecer com o tempo, normalmente em poucos meses, e não influencia nas chances de o bebê desenvolver lúpus eritematoso na idade adulta.

Como os diferentes tipos de lúpus são diagnosticados?

Ao reportar ao seu médico os sintomas, ele irá pedir alguns exames que permitirão informar o diagnóstico. Quanto mais cedo você for diagnosticado, mais cedo iniciará os protocolos de tratamento e, portanto, melhor será sua qualidade de vida.

Como não há um exame próprio para testagem dos diversos tipos de lúpus, o médico pode pedir alguns exames como contagem sanguínea, exame de urina e radiografia ou tomografia.

Além disso, ele também poderá solicitar o Painel de Anticorpos Paraneoplásicos, exame utilizado para análise sanguínea que visa avaliar os anticorpos do complexo histona-DNA.

A presença desses anticorpos sugere um diagnóstico de lúpus induzido por drogas. No entanto, algumas pessoas que têm lúpus devido à quinidina ou hidralazina podem testar negativo.

Se o paciente apresentar erupções cutâneas, o médico poderá coletar uma amostra de tecido para biópsia e confirmar o diagnóstico de lúpus.

Já o tratamento do lúpus é feito, via de regra, com medicamentos anti-inflamatórios, corticoide de uso tópico, drogas antimaláricas como o hidroxicloriquina e administração severa e constante de protetor solar.

Fontes e Referências Adicionais:

Você já recebeu o diagnóstico de algum desses tipos de lúpus? Que sintomas sentiu e qual foi o tratamento passado pelo médico? Comente abaixo!

Note: There is a rating embedded within this post, please visit this post to rate it.

O conteúdo Tipos de lúpus e suas diferenças Aparece primeiro em Mundo Boa Forma