Sociedade Brasileira de Infectologia Emite Alerta Atualizado Sobre Cuidados e Próximos Passos Na Luta Contra o Coronavírus

Coronavírus

Na quarta-feira, 11 de março de 2020, a Organização Mundial de Saúde (OMS) classificou o novo coronavírus (SARS-CoV-2) como uma pandemia. No dia seguinte, a Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) emitiu um comunicado atualizado acerca da doença viral, que recebeu o nome de COVID-19 surgiu na China e já se espalhou pelo mundo.

Até a tarde de sexta-feira, 13 de março de 2020, foram confirmados 151 casos do novo coronavírus no Brasil. Entretanto, a entidade alertou que, no país, o momento não exige pânico, mas sim prudência.

A
organização advertiu que por enquanto não se recomenda fechar faculdades,
escolas ou escritórios. Existe a preocupação que o fechamento de escolas
obrigue as famílias a deixar os filhos sob os cuidados dos avós.

Enquanto
nas crianças o COVID-19 é leve e a taxa de mortalidade tem sido quase nula, nos
idosos a letalidade é bem mais elevada: nas pessoas com mais de 80 anos e que
sofrem com doenças simultâneas (comorbidades), essa taxa é de 15%.

Entretanto,
a SBI ponderou que essa é uma orientação que pode ser modificada de acordo com
a evolução da epidemia, especialmente onde houver a transmissão entre os
membros da comunidade.

O contágio

De
acordo com a SBI, uma pessoa contaminada pelo coronavírus pode transmitir a
doença para outras 2,74. Em termos de comparação, a capacidade de contágio do
H1N1 em 2009 era de 1,5 e a do sarampo é de aproximadamente 15.

A
entidade explicou ainda que como o surto do novo coronavírus é dinâmico e o
Brasil é um país tão grande, diferentes cidades e estados podem se encontrar em
uma das três diferentes fases da epidemia:

  • Primeira fase: Dos casos importados, em que há poucas pessoas acometidas da doença e todos os casos são de pacientes que retornaram de países onde há o surto do COVID-19;
  • Segunda fase: Da transmissão local, em que as pessoas que não viajaram para países do exterior atingidos pelo novo coronavírus são contaminadas. Aqui ainda é possível identificar o paciente que transmitiu o vírus;
  • Terceira fase: De transmissão comunitária, em que o número de casos cresce exponencialmente e perde-se a capacidade de identificar a fonte transmissora.

A
SBI ressaltou que existem maiores chances de que se entre na fase três para
algumas cidades brasileiras nos próximos dias ou semanas: a maior probabilidade
é para a cidade de São Paulo, seguida pelo Rio de Janeiro, que são as mais
populosas do país, ao mesmo tempo em que abarcam um grande número de viajantes.

Segundo
a entidade, as medidas mais recomendadas a partir do momento em que a fase
inicial de transmissão comunitária for identificada são:

  • Horários de trabalho alternativos em escala;
  • Reuniões virtuais;
  • Home office;
  • Restrição de contato social para pessoas com 60 anos ou mais que tenham doenças simultâneas (comorbidades);
  • Testes em profissionais com “síndrome gripal”, mesmo que não tenham tido contato com pessoas com diagnóstico confirmado de COVID-19;
  • Avaliação da possibilidade de cancelar ou adiar eventos com muitas pessoas;
  • Isolamento de viajante internacional que retornou de país onde já foi identificada a transmissão comunitária – se não apresentar sintomas, o isolamento deverá ser de sete dias; se apresentar, deverá ser feita a investigação da existência ou não do coronavírus.

No entanto,
mesmo com as medidas acima é possível que em poucos dias ou semanas a fase de
transmissão comunitária continue a evoluir, passando dos 1 mil casos como
ocorreu na Itália. Quando isso ocorrer, a SBI informa que as seguintes medidas
devem ser consideradas:

  • Fechamento de bares e boates;
  • Fechamento de escolas, faculdades e universidades;
  • Interrupção de eventos coletivos como jogos de futebol e cultos religiosos;
  • Disponibilização leitos extras de UTI;
  • Isolamento respiratório domiciliar sem buscar assistência médica para os pacientes com manifestações clínicas do COVID-19, uma vez que os serviços de saúde estarão sobrecarregados;
  • Exames para confirmação de diagnóstico somente em pacientes hospitalizados;
  • Suspensão de cirurgias eletivas.

A prevenção

A
organização alertou que as medidas de prevenção mais eficazes contra o novo
coronavírus são:

  • Higienização frequente das mãos com água e sabão ou álcool gel 70%;
  • Identificação e isolamento respiratório dos pacientes com COVID-19;
  • Uso de equipamentos de proteção individual (EPIs) pelos profissionais de saúde.

Conheça
outras estratégias para se manter saudável e imune durante o surto de coronavírus.

O início dos sintomas

Embora ainda seja necessário estudar melhor essa
nova versão do vírus, sabe-se que os seus sintomas podem incluir febre,
cansaço, dores leves, diarreia, nariz escorrendo e tosse. Ele ainda pode
originar uma infecção no trato respiratório inferior, como uma pneumonia. A
dificuldade para respirar também pode ser observada.

O chamado período de incubação do COVID-19 – que é
o tempo entre o contato com o paciente doente e o aparecimento dos sintomas – é
de cinco dias, em média, informou a SBI. Entretanto, existem casos raros em que
a incubação leva 14 dias, completou a entidade.

O prognóstico

Segundo a SBI, 80% a 85% dos casos são leves e não
exigem hospitalização, porém, requerem que o paciente permaneça em isolamento
respiratório domiciliar. Esse isolamento respiratório domiciliar é necessário
desde o primeiro dia do surgimento dos sintomas, uma vez que é provavelmente
nos primeiros três a cinco dias com sintomas há a maior chance de transmissão.

Estima-se ainda que 15% dos casos de COVID-19
precisem de tratamento hospitalar fora da unidade de terapia intensiva (UTI) e
que 5% exijam suporte intensivo.

Cuidado com os medicamentos sem comprovação

A SBI também alertou que nenhum tipo de medicamento como lopinavir-ritonavir, cloroquina, interferon, vitamina C (veja uma análise detalhada), corticoide, entre outros, seja empregado no tratamento do novo coronavírus até que se tenha evidências científicas da eficácia e segurança desses remédios.

Atenção

A SBI advertiu que como a epidemia pelo COVID-19 é dinâmica, as informações e recomendações do informe podem precisar ser atualizadas em poucos dias, caso ela aumente e conforme novas descobertas científicas sejam publicadas. Com informações da Agência Brasil, da OMS e do Ministério da Saúde.

Fontes e referências adicionais:

Você conhece alguma pessoa próxima que já foi infectada com o novo coronavírus? Tem seguido as orientações corretas para prevenção? Comente abaixo!

Note: There is a rating embedded within this post, please visit this post to rate it.

O conteúdo Sociedade Brasileira de Infectologia Emite Alerta Atualizado Sobre Cuidados e Próximos Passos Na Luta Contra o Coronavírus Aparece primeiro em Mundo Boa Forma