Risco de Contágio por COVID-19 Pode Dobrar Quando Distância de 2 Metros para Outros Não é Mantida, Segundo Estudo

Distância social

A essa altura, você já deve ter decorado pelo menos algumas das principais medidas de prevenção contra a COVID-19, a doença provocada pelo novo coronavírus: ficar em casa sempre que puder, lavar muito bem as mãos com água e sabão ou passar álcool em gel, usar corretamente máscaras faciais de pano sempre que precisar sair de casa e manter uma distância de dois metros para outras pessoas, entre outros cuidados.

Obedecer rigorosamente à orientação de ficar pelo menos dois metros longe de uma pessoa pode ser mais importante do que imaginávamos: um estudo abrangente publicado no dia 1º de junho na revista científica The Lancet sugeriu que diminuir a distância entre uma pessoa e outra de dois metros para um metro poderia aumentar o risco de infecção.

O estudo, que foi parcialmente financiado pela Organização Mundial da Saúde (OMS), tratou-se de uma meta-análise de estudos observacionais sobre a COVID-19, mas também a respeito da síndrome respiratória aguda grave (SARS) e da síndrome respiratória do Oriente Médio (MERS), doenças causadas por outros vírus da família dos coronavírus.

A pesquisa apontou que há uma redução de 82% no risco de infecção com uma distância física de um metro, entretanto, também indicou que para cada metro adicional de separação até três metros, a proteção relativa é duplicada.

Os pesquisadores consideraram a evidência importante para dar suporte às diretrizes de distanciamento físico comunitário e afirmaram que ela mostra que a diminuição do risco de transmissão do coronavírus é viável por meio da distância física. Essas informações também são importantes para guiar a flexibilização das restrições sociais e para ajudar a encontrar modos de reforçar a segurança em cenários de concentração de pessoas.

Para a professora de saúde pública da Universidade de Edimburgo no Reino Unido, Linda Bauld, a descoberta mais útil do estudo é que o distanciamento físico importa.

“Manter essa distância (de dois metros) provavelmente reduz o risco, em comparação a um metro. Portanto, onde for possível, essa é a distância que os vendedores e empregadores deveriam usar conforme mais estabelecimentos e locais de trabalho reabrirem no futuro. Será muito difícil em alguns contextos, mas é importante e todos nós precisaremos nos acostumar a manter essa distância pelos próximos meses”, completou Bauld.

Os autores do trabalho publicado no The Lancet analisaram nove estudos acerca do papel distanciamento físico contra os três coronavírus (causadores da COVID-19, SARS e MERS), que contaram com a participação de 7,782 mil pessoas. Eles chegaram ao que foi chamado de conclusões com “certeza moderada”.

Um dos pesquisadores co-líderes do estudo, o professor da Universidade McMaster no Canadá, Holger Schünemann, disse que o que se tem é uma sugestão de que ficar a dois metros de distância pode ser mais efetivo do que ficar separado de alguém por somente um metro. Ele disse ainda que se alguém fosse implementar uma norma, a distância de dois metros seria a norma correta a ser adotada.

Importante, mas não suficiente

Por mais importante que seja, manter a distância de dois metros em relação às outras pessoas não é a única medida de prevenção recomendada contra o novo coronavírus. Além dela e dos outros cuidados já citados no primeiro parágrafo, também é preciso: cobrir o rosto com um lenço descartável ou com o antebraço ao tossir e espirrar, não tocar os olhos, nariz ou boca com as mãos, evitar contato direto como beijos, abraços e apertos de mão com outras pessoas, manter os ambientes bem ventilados e não compartilhar objetos de uso pessoal como talheres, pratos, copos e garrafas.

Além disso, é fundamental se esforçar para manter comportamentos saudáveis durante a pandemia, uma vez que estar acima do peso aumenta o risco de complicações pelo novo coronavírus e sabemos que as bebidas alcoólicas afetam a imunidade e aumentam as chances de contrair o novo coronavírus.

Fora isso, uma pesquisa descobriu que o novo coronavírus é especialmente perigoso para os fumantes e sabe-se ainda que a qualidade do sono tem a sua relação com o surto de coronavírus.

Fontes e Referências Adicionais:

Você tem mantido a distância de 2 metros para outras pessoas quando precisa sair de casa? Como tem se comportado as pessoas do seu bairro ou cidade neste sentido? Comente abaixo!

Note: There is a rating embedded within this post, please visit this post to rate it.

O conteúdo Risco de Contágio por COVID-19 Pode Dobrar Quando Distância de 2 Metros para Outros Não é Mantida, Segundo Estudo Aparece primeiro em Mundo Boa Forma