Como Uma Viagem de Avião Afeta Seu Organismo – 6 Maneiras e Soluções

Viagem de avião

Tem coisa mais legal que viajar? Não é à toa que muitos esperam ansiosamente pelo período de férias para juntar os amigos ou família – ou até mesmo ir sozinho – rumo a uma viagem para conhecer novos lugares, relaxar, aliviar o estresse, esquecer dos problemas e se divertir.

Mas, como nem tudo é perfeito nesta vida, existe uma parte desagradável que envolve as viagens, especialmente as mais longas: as horas que precisam ser passadas dentro de um avião para chegar e retornar do destino escolhido.

Percebeu que se sente desconfortável, cansado ou desgastado após um trajeto no avião? Não é de graça: uma viagem do tipo afeta o nosso organismo de diferentes maneiras. Isso porque a pressão, a temperatura e os níveis de oxigênio oscilam e a umidade é mais baixa que a do nível do mar, explicou o médico de família Matthew Goldman à Cleveland Clinic, centro médico acadêmico americano.

Tudo isso bagunça parte das funções normais do corpo e há ainda todo o processo de viajar, que envolve a troca de fuso horário e o contato inevitável com dezenas ou até centenas de outras pessoas (que podem transmitir algum tipo de doença), completou a instituição.

O centro médico acadêmico americano detalhou seis maneiras como uma viagem de avião pode afetar o organismo e apresentou soluções para amenizar esses problemas.

1. A viagem de avião aumenta os níveis de estresse

Mesmo antes de colocar o primeiro pé no avião, o viajante já é bombardeado com uma série de fatores estressantes: filas demoradas, medo de perder o avião e o cuidado que se precisa ter com a bagagem ao percorrer o aeroporto, mencionou o médico de família Matthew Goldman. Isso se a pessoa não tiver perdido a hora e precisado correr feito doido para chegar a tempo no aeroporto – algo que gera uma enxurrada de estresse.

Mas isso é só o início: então, a pessoa entra no avião, onde vai se espremer com sua bagagem de mão pelo corredor até chegar ao seu acento. Por sinal, o acento não costuma ser muito confortável e pode ocorrer aquela situação constrangedora de ficar tocando cotovelos com pessoas estranhas.

Outras inconveniências como os passageiros que roncam ou conversam alto demais e as crianças que choram e reclamam sem cessar durante a viagem também testam a paciência e colocam o estresse lá em cima. Ou então o estresse pode ser porque deu a hora de tomar algum remédio e a pessoa não consiga encontrar o medicamento em lugar nenhum.

Isso sem contar quando os comissários de bordo demoram a atender quando o passageiro precisa comer alguma coisa, quando está passando mal ou quando necessita de auxílio para solucionar outro tipo de problema.

Então, quando a viagem finalmente termina há mais um pouco de estresse com a espera para poder sair do avião, o bate-bate entre malas e mochilas enquanto os passageiros as retiram dos bagageiro e o empurra-empurra dos mais apressadinhos que não aguentam esperar a fila diminuir.

A solução para amenizar

Planejar com antecedência é a resposta. Isso inclui se programar para chegar umas duas ou três horas antes do horário do embarque no aeroporto. Assim, caso ocorra algum imprevisto no trânsito ou no próprio aeroporto, corre-se menos risco de atrasar. Para não perder a hora, vale aquela velha e boa tática de colocar o alarme do celular para despertar bem alto.

Outra dica de ouro para ganhar tempo e evitar o estresse das filas é fazer o check-in previamente on-line. Para quem sofre com a diabetes ou alguma doença que requer refeições ou lanches especiais ou exige comer de poucas em poucas horas também é importante avisar a companhia aérea com antecedência. Vale ainda levar os próprios lanchinhos saudáveis para viagem na bagagem de mão.

Além disso, quem toma medicamentos deve deixá-los guardados em um bolsinha pequena dentro da bagagem de mão, de modo que eles não sejam perdidos no meio dos outros pertences e possam ser facilmente encontrados.

Para evitar o estresse com o barulho dos outros passageiros, a saída pode ser levar um fone para assistir séries ou ouvir música durante a viagem. Mas claro, só depois de ouvir todos os avisos iniciais da equipe do voo. 

Já a estratégia para evitar o empurra-empurra na hora de sair do avião é deixar os mais apressadinhos passarem antes e descer quando a aglomeração se acalmar.

2. A viagem de avião te desidrata

De acordo com o médico de família Matthew Goldman, as cabines de avião apresentam níveis de umidade muito baixos porque aproximadamente 50% do ar que circula na cabine é puxado de fora e as altitudes elevadas nas quais o avião se encontra são completamente desprovidas de umidade. Tudo isso pode fazer com que a garganta, o nariz e a pele fiquem ressecados.

A solução para amenizar

A primeira é levar uma garrafinha de água vazia na bagagem de mão e enchê-la depois que passar pelos procedimentos de segurança antes de entrar na sala de embarque do aeroporto. Assim, haverá bastante água disponível, uma vez que os copinhos ou garrafinhas de água pequenos que as companhias distribuem podem não ser suficientes para a hidratação de um voo com duração de muitas horas.

Usar lentes de contato no lugar de óculos de grau também pode auxiliar a prevenir o desconforto que a desidratação traz aos olhos. Carregar pequenas embalagens de creme hidratante, colírio ou spray nasal na bagagem de mão é outra tática que ajuda a combater o ressecamento que a desidratação no avião pode gerar.

3. A viagem de avião te expõe a germes

Ao contrário do que se pode imaginar, não é o ar que circula na cabine que pode deixar o passageiro a pegar uma doença, já que as companhias aéreas comerciais possuem sistemas avançados de filtragem que removem a maioria das bactérias, vírus e fungos do ar.

Com isso, é mais provável pegar uma doença devido à proximidade com tantas pessoas e com os germes que elas carregam. “Nós podemos pegar alguma coisa dos outros passageiros que estão tossindo, espirrando ou simplesmente respirando por perto”, explicou o médico de família Matthew Goldman.

Isso sem contar as bandejas, fivelas de cintos e outras superfícies do avião que são frequentemente tocadas por muitas pessoas e, consequentemente, podem estar lotadas de vermes.

A solução para amenizar

Só o pensamento de pegar uma doença e ser impedido de curtir a viagem que tanto sonhava em fazer pode deixar qualquer um estressado. Por isso, a solução torna-se fazer o máximo que puder para prevenir o contágio com algum vírus, bactéria ou fungo.

Mas como fazer isso? Tomar a vacina contra a gripe antes de viajar ajuda, mas também é importante lavar muito bem as mãos com água e sabão durante o voo, especialmente depois de encostar em alguém ou em uma superfície do avião e antes e depois de usar o banheiro, carregar um potinho de álcool em gel para desinfetá-las quando não for possível lavar as mãos e não encostar diretamente no vaso sanitário, colocando um papel antes de sentar.

4. A viagem de avião suga a sua energia

A pressão do ar mais baixa observada nas altitudes mais elevadas fazem com que o corpo receba menos oxigênio. As companhias aéreas até pressurizam o ar na cabine, mas a pressão não é a mesma que a do nível do mar. Ou seja, de qualquer forma o corpo pega menos oxigênio durante o voo, o que pode deixar o passageiro sentindo-se esgotado ou até mesmo com falta de ar.

A desidratação e o fato de sentar por muitas horas são outras fatores que prejudicam neste sentido, assim como o famoso jet lag, experimentado ao viajar para uma localidade com fuso horário diferente do endereço de partida e que pode provocar sintomas como: fadiga, problemas de sono, dificuldade para se concentrar e funcionar normalmente, problemas estomacais, prisão de ventre, diarreia, mudanças de humor e mal-estar.

A solução para amenizar:

Manter-se bem hidratado é essencial, por isso ressaltamos a necessidade da garrafa cheia de água a tiracolo. Levantar e dar uma caminhada pela cabine – se for permitido e seguro no momento, logicamente – caso esteja sentado por mais de duas horas também ajuda.

Outra tática é fazer alongamentos a partir do assento, como pegar o pé do chão e flexionar e apontar os dedos do pé para cima para manter o sangue fluindo. Já para quem vai viajar para uma cidade com um fuso horário diferente do seu local de origem por somente dois ou três dias, a orientação do médico de família Matthew Goldman é tentar manter a programação normal de sono com base no fuso horário da cidade de onde veio.

5. A viagem de avião coloca pressão nos seus ouvidos e pode te dar enjoo de movimento

Conforme a pressão na cabine muda, a pressão de ar dentro do ouvido interno (a parte mais profunda do ouvido) tenta se ajustar a ela, em um processo necessário para ajudar a manter o equilíbrio do corpo.

Quando a pressão exterior muda rapidamente durante a decolagem e durante o pouso, é colocado estresse ao redor do tecido do ouvido médio e da trompa de Eustáquio (tuba auditiva, que conecta o ouvido médio à nasofaringe), motivo pelo qual os ouvidos podem precisam se ajustar por meio de estalos ou “pops”.

Todo esse desequilíbrio também pode trazer o incômodo enjoo de movimento, que é desenvolvido quando o cérebro recebe mensagens conflitantes sobre o movimento e posição do corpo, que são enviadas pelo ouvido interno, pelos olhos, pelos receptores da pele e pelos sensores dos músculos e das articulações.

A solução para amenizar

Fazer movimentos de engolir ou bocejar é uma estratégia recomendada para abrir a trompa de Eustáquio, que é responsável por controlar a pressão no ouvido médio durante a decolagem e o pouso do avião.

Para minimizar o enjoo de movimento, a recomendação é escolher um assento na janela, que esteja localizado acima da asa do avião, onde o nível de movimento é mais baixo. Tomar um medicamento contra o enjoo de movimento, como o remédio Dramin, também pode ajudar – se você não tiver alguma contraindicação a ele e seguindo as orientações da bula, logicamente.

6. A viagem de avião pode deixar a sua barriga inchada

Isso acontece porque as mudanças de pressão descritas acima também faz com que os gases presentes no estômago e nos intestinos sejam expandidos, o que pode resultar no aparecimento do inchaço.

A solução para amenizar

A fome bateu e está com tempo para fazer um lanchinho antes de embarcar? Para evitar o inchaço abdominal, a recomendação é resistir à tentação de comer um hambúrguer gorduroso ou batata frita e passar longe de qualquer alimento que você já sabe que pode piorar os seus gases. Conheça a lista dos alimentos que provocam gases.

Outras dicas para ter uma boa viagem

Para os pacientes que sofrem com um problema crônico de saúde, o conselho do médico de família Matthew Goldman é levar uma cópia de qualquer registro médico importante ou recente, como exames ou receitas médicas, o que será muito útil caso precisem ser atendidos por um médico durante a viagem.

Por mais frustante que isso pareça ser, para quem não estiver sentindo-se bem pode valer a pena adiar a viagem de avião. Por exemplo, se a trompa de Eustáquio estiver obstruída devido a uma inflamação decorrente de um resfriado ou de alergias, os ouvidos poderão experimentar dor ou até algum dano maior.

Qualquer dúvida em relação às viagens, inclusive a respeito de medicamentos que pode ajudar a amenizar o desconforto de uma viagem de avião, devem ser esclarecidas com o médico.

Fontes e Referências Adicionais:

Você tem costume de viajar muito de avião? Sente-se muito cansado e com outros desconfortos quando chega ao destino? Comente abaixo!

Note: There is a rating embedded within this post, please visit this post to rate it.

O conteúdo Como Uma Viagem de Avião Afeta Seu Organismo – 6 Maneiras e Soluções Aparece primeiro em Mundo Boa Forma