Beber até cair pode elevar o risco de demência, aponta estudo

Quem tem o costume de beber bastante com os amigos, já pode ter visto alguém beber até perder a consciência ou ser ela mesma. Entretanto, beber até apagar pode ter um grave prejuízo em longo prazo: aumentar o risco de desenvolver demência.

Um estudo publicado em setembro de 2020 identificou que pessoas que relataram a perda de consciência após beber tinham o dobro do risco de demência. O risco foi o mesmo para aqueles que normalmente bebiam com moderação.

Como eles chegaram a essa conclusão?

Bêbado

Os pesquisadores analisaram sete estudos europeus de locais como Reino Unido, França, Suécia e Finlândia. As pesquisas envolveram mais de 130 mil pessoas com idade entre 18 a 77 anos, das quais 96 mil contaram que chegaram a desmaiar após ingerir álcool.

Esses participantes não receberam o diagnóstico de demência durante o período em que deram detalhes sobre o seu consumo alcoólico. Mas, em média 14 anos depois, houve um acompanhamento em que eles passaram por exames de sintomas de demência.

Então, após excluir os participantes com estágio inicial ou final da doença de Alzheimer, os cientistas concluíram que beber até perder a consciência tem uma ligação com um aumento posterior do risco de demência.

“Independentemente de (como era) o seu consumo geral de álcool”, pontuaram os cientistas responsáveis pelo estudo.

Encolhimento do hipocampo

Um estudo da Universidade de Oxford analisou dados de 424 homens e 103 mulheres que participaram de uma investigação sobre a relação do estilo de vida e saúde dos funcionários públicos britânicos.

No início do estudo, em 1985, todos eram saudáveis e nenhum tinha dependência alcoólica. Então, ao longo de 30 anos, os participantes responderam detalhadamente sobre sua ingestão de álcool e fizeram exames de memória, raciocínio e habilidades verbais.

No fim do estudo, eles passaram por testes de imagem cerebral por ressonância magnética. Ao analisar tudo isso, os pesquisadores observaram que o teor de encolhimento do hipocampo, área cerebral relacionada à memória e raciocínio, tinha uma relação com a quantia ingerida de álcool.

Aqueles que bebiam quatro ou mais drinks por dia tinham quase seis vezes mais risco de encolhimento do hipocampo, em comparação aos que não consumiam álcool.

Porém, a única ligação que os pesquisadores encontraram entre beber e o declínio cognitivo foi que quem fazia uso pesado de álcool teve um declínio mais rápido na habilidade de nomear o máximo possível de palavras com certa letra dentro de um minuto.

Como beber até cair prejudica o cérebro?

De acordo com o neurologista Kevin Conner, beber até perder a consciência tem uma relação com os efeitos do álcool no hipocampo.

Ainda conforme Conner, o álcool prejudica os receptores de glutamato do cérebro, que são necessários para que as células cerebrais fortaleçam a transferência de informação entre os neurônios.

Então, no final das contas, isso afeta a recuperação de memória, completou o neurologista. Uma lesão cerebral a mais pode ocorrer após lesões cerebrais associadas a quedas, convulsões ou asfixia pelo vômito, o que pode trazer privação de oxigênio.

De acordo com Conner, o cérebro pode se recuperar dos danos que o álcool causa. Porém, isso depende do tamanho e da duração do consumo de álcool.

O neurologista explicou que após beber até apagar, pode-se recuperar algumas memórias, se elas forem estimuladas por cheiros, vídeos ou sons que consigam acionar as vias da memória.

Entretanto, em alguns casos, efeitos podem ser irreversíveis

Por outro lado, Conner também advertiu que existem efeitos irreversíveis que o uso de longo prazo do álcool traz. Um deles é a síndrome de Wernicke-Korsakoff, que pode envolver mudanças no movimento dos olhos e dificuldades de equilíbrio.

De acordo com ele, a condição também pode incluir uma confusão que pode evoluir para psicose e demência. O uso de longo prazo de álcool também está ligado à atrofia (encolhimento) cerebral e dano nervoso (neuropatia periférica) irreversíveis.

Fontes e Eeferências Adicionais:

Você já bebeu até cair? Imaginava que beber demais poderia prejudicar o cérebro? Então, conte para nós nos comentários abaixo!

Note: There is a rating embedded within this post, please visit this post to rate it.

O conteúdo Beber até cair pode elevar o risco de demência, aponta estudo Aparece primeiro em Mundo Boa Forma